19 junho, 2009

Funeral

Meus olhos já estão fracos demais. Desnutridos. Secos.
Sou uma só. E durei enquanto durou o amor. Na hora a gente nunca sabe nem pode mesmo saber, fica tudo natural como o dia que sucede à noite, como o sol, como a lua, como o ontem e o sempre, como ele e eu. Eu não pensava no fim como não pensava em respirar. Alguém por acaso fica atento ao ato de respirar? Fica, sim, mas quando a respiração se torna afiada feriando cada pedaço do peito, como uma tortura da qual só a morte pode salvar. Então dá aquela tristeza, puxa, eu respirava tão bem...

Caminho e ninguém percebe que eu me arrasto. Não sei por que essas coisas de doer acontecem com a gente, tudo deveria ser certo, permanecer certo quando existe o amor. Eu paro de andar e me encosto na parede, uma penumbra me acompanha, meu peito esquartejado. Minha voz falha. Lembrei-me então de tudo o que ele havia me dito. Não quero nem devo lembrar, só sei que em redor de tudo era silêncio e treva. E me sinto bem no meio dessa solidão. Porque a parte mais difícil do amor é quando você precisa matá-lo e lhe falta força.

Fiquei assim. Só em osso. Morri e esqueceram de me levar flores. Não seria possível permanecer viva sem coração. E de algum jeito eu sei que nunca vou conseguir descansar em paz, porque ele nunca mais vai voltar. Um funeral do amor, onde quem morreu fui eu.



Não venha me dizer que ninguém morre de amor, porque para mim isso é um prazer.

15 comentários :

Tiago P. disse...

Sim, as pessoas morrem de amor.
Mto bom esse texto apesar da tristeza.

Anônimo disse...

perfeito, profundo, porém triste.

Felipe Moraes disse...

Quem dera eu tivesse essa chance, de morrer por amor.

Patrícia Harumi disse...

É assim, ou você mata o amor, ou ele te mata, igual "olho por olho, dente por dente" :)
Matar ou morrer, prefiro morrer.




Bonito esse.

Patrícia Harumi disse...

ps: Feliz por essa overdose de inspiração que faz você postar mais, acho isso bom! :)

Lua da Paz disse...

Ah. O amor revigora. Torna tudo vivo de novo.

Luciana disse...

Não é ruim morrer de amor, pois é a única morte que ainda nos deixa vivos.
Problema é morrer por falta de amor, quando esse vai embora sem explicação e leva consigo o coração, parte nossa tão importante.

Gostei do texto, apesar de pesado.

Beijo.

Anônimo disse...

"morrer é fácil, viver é difícil"

Renata Braga disse...

Acredito que morremos sim de amor.... aos poucos...

Mas essa dor tem que ser sentida... até o fim...faz parte da vida.


Teu jeito intenso de escrever é viciante.

Bejo

Anônimo disse...

As coisas seriam diferentes se você estivesse aqui!

Carolina disse...

Nossa, você traduziu muito bem como me sinto qdo acaba uma relação qdo aindo gosto deste alguém. Eu literalmente morro, mas depois faço a missa de 7ºdia e passado uns 6 meses como a ressuscitar.
Muito bom este teu post, pra variar ( hehehe)
bjos meus

jediroma disse...

a dor de amar é mais forte aqui.

John, O Lobo disse...

"Porque a parte mais difícil do amor é quando você precisa matá-lo e lhe falta força."

Nossa, vc não faz ideia do quanto eu entendo isso!

E amor mata mesmo. Bem devagar, um pouquinho a cada dia.

Maicom disse...

Deve ser, no mínimo, interessante morrer de amor.
Ainda não me deram tamanha oportunidade.

Abração.

Okna disse...

"Porque a parte mais difícil do amor é quando você precisa matá-lo e lhe falta força."

Tô exatamente assim....
e isso é um porre............