20 abril, 2008

Sala 11

Teutônia, 09 de maio de 2004.

08h15min.

Aula de Ensino Religioso – Proposta de trabalho:

  1. Fale sobre você (o que pensa, gostos, defeitos, qualidades e etc.).

Valor: 30 pontos.
08h 21 min.

Luara Quaresma:

Já fui a pessoa mais boazinha do mundo, hoje dependendo da situação sou fria, minto, cálculo, mas ainda sou leal a tudo que amo – e são poucas as coisas. Meus cabelos são pretos. Filmes de guerras são no mínimo interessantes. Raras são as vezes que falo de meus problemas a alguém. Adoro meus pés. Farei um ‘mochilão’ pela Europa. Adoro listras. Nunca quis ter um casamento tradicional e muito menos ter filhos, com o tempo passei a pensar em adotar e hoje eu quero constituir família. Doces e capuccino me deixam de bom-humor. Não acredito no comunismo. Chuva. Sempre que vou à livraria penso em comprar no mínimo uns dez livros. Cinza. Tenho simpatia pelos judeus – eu sou judia. Vejo fotos onde não existe. Minha carreira há de ser brilhante. Prefiro o frio. História me interessa. Vou passar no mínimo seis meses no Canadá. Música é essencial. Nada como um bom jeans. Meu personagem preferido sempre foi o Mickey. Já pensei em desistir. Getúlio foi um cara muito esperto. Se eu amo, não deixo. Sou mulher, entende? Nada como um baralho, uma mesa de sinuca e um videogame. Tenho pena de quem se acha o centro do mundo. Sou bem individualista. Os seres humanos aterrorizam-me. Já dei abertura pra gente de quinta, merda mesmo, e hoje o que eu sinto é nojo e um grande desprezo pela pequenez destas. Se for válido, dou-me por inteiro. Sei ser irônica, pateta, ogra, fofa, esperta ou filha-da-puta, depende dos meus interesses e principalmente das pessoas. Se não está legal, eu vou embora, não por egoísmo, mas por fidelidade a mim mesma. Tenho certeza de que certas pessoas jamais me abandonarão, aconteça o que acontecer. Tenho um amor que já me deixou lembranças pra vida toda.

Eu sou feita de sonhos interrompidos, detalhes despercebidos, amores mal resolvidos. Feita de choros sem ter razão, atos por impulsão. Alguém cansado de seguir regras impostas pela sociedade contemporânea. Sinto falta de lugares que não conheci experiências que não vivi momentos que já esqueci. Eu a solidão e a indignação constante. Sou altista e hiperativa. Cumpri coisas não-prometidas. Sorri para não chorar. Ninguém pra você, mas uma legião de personalidades para mim e para meu uso. Tenho saudade de pessoas que fui conhecendo, lembranças que fui esquecendo, amigos que acabei perdendo. 12 horas social 12 horas anti-social. Refugio-me em meu quarto e nas minhas angustias. Falante, principalmente em momentos impróprios. "Julia Wind Smile". Leitora compulsiva. Hermaníaca. Atrasadíssima. Cachorrista militante. Não sou politicamente correta, NÃO! Chorona convicta. Chocólatra. Letrista. (A)normal. Fã de botecos regados a Coca e caminhadas sem rumo. Caio Fernando Abreu, Clarice Lispector, Amélie Poulain, talvez, me entenderiam. Não gosto de carne. Tim Burtom, um ídolo. E como penso muito, tenho dificuldade de me concentrar no que estou fazendo. Sou muito distraída. Adoro futebol e handebol. Competir me atrai. Detesto Aglomerados Humanos. Metade extro, metade introvertida. Moleca. Bochechuda. Crítica. Piadista, mas sem graça. Sonolenta. Psicóloga-não-formada-sem-conselhos-úteis, contudo em constante plantão. Sentimental, dependente de música e de oito horas de sono. A única parte da Bíblia que eu já li foi I Cor 13:4-7, não me pergunte por quê. Eu sempre achei legal ser tão errado. Não suporto gente sem iniciativa ok. Evidências em minhas mãos da minha nova e súbita velhice. Vácuo Sou a teoria do caos. Não que eu seja um caos, sou só a teoria.
A harmonia secreta da desarmonia: quero não o que está feito, mas o que tortuosamente ainda se faz. Meu 'recesso' acabou. Falsa intelectual. Às vezes tenho muita vontade de matar certas pessoas. Num mundo onde só o que importa é estragar a vida dos outros, e só tem vez quem é rico e lindo, me resta mandar você para o inferno com sua sua sensatez, leve junto de você tudo o que você acredita e ama, pra mim é desnecessário. Não me venha acrescentar essas coisas tão interessantes de sua sabedoria, pois eu alego que estou satisfeita só com o que tenho. Não tente fazer de mim uma ouvinte da adolescência, não estou tendo problemas com a minha, é tudo passageiro e problema nunca se resolve. Eu só preciso do que eu realmente acredito. No que eu acreditava mais eu não acredito mais, mas, eu tenho que ver pra crer. Seu deus? Não significa uma morte boa, uma ressurreição, não faz a mínima diferença se ele vai me perdoar ou não, eu não acredito no demônio nem ao menos sou agnóstica, quero apenas sossego, não ter que seguir essas regras que me impedem de amar ou quem sabe ofender alguém, sinto-me ofendida com as coisas que vejo por aí e elas vêem justamente de quem se dizem crentes, se elas acreditassem em algo, algo que realmente as movesse, elas não pecariam e nem ao menos cometeriam crimes. Pode me asfixiar e jogar de um prédio. Vou morrer e assim então, irei somente pro fundo da terra com um caixão de madeira que criará fungos e aí então comerão meus restos mortais. Eu existi um dia e que bom, estou aproveitando cada momento dessa existência como todas as possíveis lágrimas a mim proferidas, ou que eu mesmo deixo escorrer. Eu só quero viver. Só viver.

8h 43 min.

Entrega do trabalho.

8h 51 min.

Professora:

- Luara, venha comigo até a sala 11.

- Por que professora?

- Para conversar com a diretora.


8h 54 min.

Depois desse dia, Luara nunca mais foi vista.

6 comentários :

Daniel Jr. disse...

Simplesmente sem comentários...


Love!♥

Van disse...

Olha só quem fala!!!!!


Vc também escreve super bem!



Bjussssssssss

João Nunes Junior disse...

Que isso, moça...

É gentiliza sua! Você também escreve muito bem!

Gostei do teu blog, parabéns!

Visitarei mais vezes...
Atéééé!

Ghost of a good thing disse...

Ah, obrigada (:
Desculpa a demora pra responder.
Beijos!

Graziela Jardim disse...

Olá, menina! Obrigada pelo elogio e pelo comentário em meu blog!

Gostei da espontaneidade que encontrei aqui e gostei também do encanto místico que tem o seu perfil e descrições. Adoro Tarô e "O pendurado" é extremamente significativo para alguém de aspiração espiritual e de equilíbrio!

Beijos!

girl next the door disse...

Viu! Eu digo que voce sempre tem muito a dizer! Incrivel!
e se quer saber, o mundo seria no minimo mais digno se todas as pessoas fossem sinceras (e militassem a favor dos cachorros) como voce!