19 julho, 2009

Parte de mim


Eu não posso evitar que meus pensamentos escapem de mim a cada segundo, se pondo a minha frente e me enchendo de murros. Machucando-me, mas me fazendo sangrar só por dentro. Eu me pergunto se isso um dia irá a acabar.
Tento me abrigar no sono. A inconsciência não traz alívio completo da dor, só uma calma entorpecida, como se fosse um medicamento. A torna mais suportável. Mas ela ainda fica lá; eu estou consciente dela, mesmo adormecida. Isso simplesmente faz parte de mim agora.

Porque a presença da ausência dele ainda continua aqui, arranhando no meu peito, a dor disso é tão forte que eu mal posso respirar.




11 comentários :

Talita Prates disse...

Passei por isso, JUSTAMENTE isso, ontem... Incrível como vc traduziu...
Mas ontem ficou pra trás: que bom esse presente da passagem das horas!
Paz. :)

ARCANO disse...

Pois é, há pessoas que tem um revolver na mão, outras o tempo.

CelyLua - O blog das Letras disse...

Olá, tudo bem? Espero que sim.
Ler você é sempre alegria aos olhos da minha mente.
Ou seja, sua sensibilidade é deslumbrante...
Porém, mesmo o texto apresentando sofrimento, mas “tudo um dia tem fim”.
Graças a Deus é a lei da vida aqui na terra.
Sabemos que falar jamais será “sentir” na pele o que a outra pessoa passou ou estar passando.
Porém, enxergar apenas os bons momentos vividos é sempre a melhor escolha.
Eu já passei por situação assim, e sei, é muito sofrido.
Mas, levantar a cabeça e olhar para os céus, é uma maneira de lembrarmos que estamos “vivo” e podermos “recomeçar outra vez...”.
Adorei o texto, parabéns!
Deus abençoe você e sua família.
Com apreço,
CelyLua, Amiga e fã do seu blog.

Muito obrigada!

ARCANO disse...

Obg, mas na verdade eu só preciso de um café.

CelyLua - O blog das Letras disse...

Feliz dia do Amigo!
Bjsss no coração.
CelyLua.

Muito obrigada!

Anônimo disse...

pior que nem adianta esperar para a droga do tempo curar. o tempo não cura nada, só tira o incurável do centro das atenções. ou não.e às vezes o tempo piora tudo.

Renata Braga disse...

"Porque a presença da ausência dele ainda continua aqui, arranhando no meu peito, a dor disso é tão forte que eu mal posso respirar."

Faço minhas tuas palavras...

Beijo querida.

Carolina disse...

"Tento me abrigar no sono. A inconsciência não traz alívio completo da dor, só uma calma entorpecida, como se fosse um medicamento."
Faço muito disto qdo algo me incomoda, podem dizer que é fuga, pois pra mim de nada tem de liberdade e sim de prisão. Tornando prisioneiro no sono aquilo que me incomoda, deixo lá escondido no buraco negro do inconciente.

FELIZ DIA DO AMIGO!
bjos meus

Thiago disse...

há pessoas que foram feitas para nos doer pra sempre. E a culpa á toda nossa.

Patrícia Harumi disse...

Só porque eu ia te chamar pra tomar um porre...

carlos massari disse...

a ausência da presença e a presença da ausência. duas coisas que parecem tão iguais, mas são separadas por linhas tênues que, no fim, têm o mesmo efeito.