30 outubro, 2011

Não me estranhe

O basta que dei não bastou pra te esquecer ou pra deixar de sentir o que eu sinto por você. Foi meu momento de fuga, foi a minha falta de segurança pra sustentar sorrisos, foi o que não tive pra dar que perdi de ter. E apesar de nossas diferenças se encontrarem, nosso abraço era recíproco, nossa vontade de estar ali agora e depois de pra sempre era de verdade, e hoje sinto que ainda é.

Me desculpe por ter atravessado a rua sem pegar na tua mão, me desculpe ter ido por outro caminho que não fosse pra te encontrar, me desculpe por não esperar pra sentir junto com você tudo isso que eu sinto sozinha agora. Eu passo a te esperar, fico torcendo pra que você vá comprar pão no mesmo lugar e hora que eu, que você me reconheça, rezo para o acaso te trazer pra perto, forço meus pensamentos pra te buscarem pra mais um toque.

Não tenho como ignorar a sua espera, é fato a falta que você me faz, é o seu tato que me prende nos sonhos. E deixo pra lá o esquecer, porque quero te lembrar, e quero me acontecer na sua vida. Quem sabe, eu ainda dou meia volta e te pego pelo caminho, quem sabe a gente ainda divide os mesmos passos.

Eu te amo, mesmo não sabendo amar. Mesmo, não sabendo como todo esse amor funciona, só aprendi que dói ter que te olhar de longe, ter que compartilhar apenas um oi entre uma multidão de coisas que tenho vontade de te gritar.

- VEM!

*Encomendado por Bárbara C.

6 comentários :

mateus f disse...

Que lindo, desse jeito vc me reconquistaria todos dias!

Gabriela Freitas disse...

Que lindo moça.

Andréa Llago Fotografia disse...

Amei!!!
Postei partes no Twitter e Facebook!
Beijos...

Poeta da Colina disse...

A paz pode demorar.

Biamarques disse...

Fazia tempo que não vinha por aqui e, de fato, não perdi a viagem. Texto lindo, palavras belíssimas. Sua escrita está cada vez melhor.
Beijos, Bia.

Alice Machado disse...

muiiitoo lindoo.. leioo sempree que possoo.. fiz questão de divulgar no orkut.. beiijiinhos